quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Carne, emprego, crise...

Falando com uma pessoa outro dia surgiram dúvidas sobre Portugal e a crise. Bem, reproduzo abaixo o que respondi para ela:


"Seus amigos em Portugal que falaram que a crise atual é a pior desde a 2ª Guerra ou são muito jovens ou então não conhecem direito a história do país. Portugal já enfrentou ainda durante Salazar períodos tão ruins como agora no pós-guerra. Além disso, em 1974 foi uma mer*¨*¨¨&*¨*da aqui. E esteve sob a intervenção do FMI em duas outras ocasiões na década de 70 e 80, tendo, numa delas, tido uma desvalorização cambial em um dia de 20%, ou seja, inflação solta, perda geral de poder aquisitivo e etc. Pelas reportagens que vejo, foram bem piores do que agora, embora, claro, chorões como são, estejam fazendo um alarde danado sobre esta crise.

Tá ruim? Claro que está. Estão em crise, perderam poder de compra, estão com impostos até o pescoço. Mas não é o fim do mundo. Pizza Hut tá cheio TODOS OS DIAS, McDonald’s anteontem não tinha onde sentar, praças de alimentação dos shoppings lotadas de segunda a segunda e etc. 

Diminuíram? Claro. Mas a coisa devia ser doentia, porque tendo diminuído o tanto que eles choram, eu ainda acho que o consumo aqui é desbragado! Agora perto do Natal eu não conseguia lugar para estacionar nos shoppings de tão cheios que estavam! E as entregas da Amazon demoraram uma vida, porque, segundo o entregador, eram tantas que nem contratando mão de obra temporária a empresa estava dando conta. Black Friday não sobrou NADA nas lojas, detonaram tudo! Isso é a crise que eles pintam? Fala séério!

Sobre os brasileiros voltando, muitos brasileiros voltaram mesmo e vão ainda voltar para o Brasil sim, mas não porque não estejam conseguindo se manter. Isso é lenda. Voltam porque aqui são rapa da mandioca e trabalham com empregos esc*&¨&*¨*&¨*rotos, mesmo tendo formação razoável. Enquanto o Brasil vai bombando, ficar aqui nesta situação é mesmo bobagem. E temos que levar em conta que muitíssimos trabalhavam na construção civil e este setor praticamente parou aqui. Daí muitos terem ido direto para o desemprego. Eu no caso deles até consideraria voltar também... mas quem tá bem empregado não pensa nem por um segundo em voltar!

Quanto aos empregos, como mencionei, trabalho tem. Emprego tá complicado. O que tem é em coisa escr*&*¨*&*¨¨&&&&&ota, geralmente em empregos operacionais, mão suja mesmo. Mas tem. Tem que correr atrás, tem que batalhar, mas acha-se. Não acho, entretanto, que alguém com o seu padrão de vida vá se adaptar a estes empregos, ao menos em princípio. Até porque pagam mal – o salário mínimo é 480 euros.

O envio de dinheiro para cá é burocrático. Tem que ser feito através de bancos ou empresas próprias (Western Union, Correios, etc). Mas tudo passa pela Receita Federal e pelo Banco Central do Brasil, portanto, o dinheiro vai ter que ser todo declarado. Nós usamos o Banco Rendimento e nunca tivemos problemas. Tenho também desses cartões VISA TRAVELMONEY que são uma boa mão na roda. Tenho do próprio banco Rendimento e do BB. Atenção, apenas, que eles limitam o tanto que podem trazer ao longo do ano. Nunca conseguiram me explicar isso direitinho, mas como exigem a apresentação da declaração do IR na abertura da conta, deve ser alguma proporção do patrimônio que deixam sair por vez. A maior parte do pessoal vai jogando entre os vários bancos para não chegar nestes limites POR BANCO, então traz cada mês em um, por exemplo, e evita problemas.

Claro que sempre podem trazer algum consigo ao virem (comprado numa casa de câmbio), mas não é algo prático ficar indo ao Brasil a cada pouco tempo para importar dinheiro! kkkkkkk Além disso o limite, se não me engano, de dinheiro que pode trazer consigo, por leis européias, é de 5.000 euros. Cuidado com isso. Se pegarem com mais, apreendem o dinheiro e cobram os impostos, além de responderem processo.

O problema da carne vermelha é mais complicado... A carne vai ser mesmo um problema para vocês. Nem pense em importá-la, porque a UE tem zilhões de restrições. Mas eles têm carne importada aqui, seja do Uruguai, da Argentina e outros países. Picanha e etc. Só é caro. Uma picanha custa uns 24 euros a peça (em geral entre 1,5 e 2,5kg). Não é algo que vamos comer toda hora, né? A carne deles, como mencionei, é uma bo*&&**¨*(sta. Sempre fibrosa. Ah, antes que esqueça, faça estoque de amaciante de carnes. NÃO EXISTE ISSO AQUI, então não tem jeito de arrumar a porcaria da carne... Nós vivemos de frango e peru. Tem porco, mas a Docinho não gosta muito, então ficamos nas aves mesmo.

Resumindo, vir pensando em ganhar a vida trabalhando, neste momento, não é o mais aconselhável. Exceto se for pessoa bem disposta para pegar QUALQUER tipo de emprego e ganhar pouco, mas o suficiente para se manter. E acostumar a comer frango! kkkkk"

A conversa foi mais ou menos assim. Desculpem os palavrões, mas sou boca-suja mesmo. Evito aqui no blog, mas numa conversa privada a coisa sempre fica no nível boteco às 4h da manhã! :)

Abs

Coração

Nenhum comentário:

Postar um comentário