quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Perguntas do Anderson


"Bom dia,

Agradeço as respostas, e se possivel responder algumas outras questões seria de enorne utilidade.

- Nas aulas tem muito conteudo em lingua não potuguesa?
- O processo de candidatura tem provas?
- Parece que alguns cursos só tem a dissertação no 2ano, então não tem aula nenhuma?
- Como funciona para comprar um carro(docs, impostos, txas).
- Ai tambem tem imposto anual veicular?
Agradeço desde já e prometo não te incomodar mais."

Oi Anderson (e resto do povo),

A maior parte das aulas é em português, ao menos na maior parte dos cursos. Na faculdade de economia - e consequentemente nos mestrados e doutorados - há um intercâmbio enorme com faculdades do Reino Unido, então, MUITAS aulas - e até algumas matérias - são dadas em inglês. Ninguém fala isso hora nenhuma, apenas recomendam domínio da língua, mas na hora do vamos ver dizem para você se virar. Portanto, cuidado com este curso em particular. Dá para o povo se virar? Sim, mas complica bastante a vida. Eu tive aulas em com professores espanhóis, mas acho que a maior parte da turma não teve problemas (eu falo espanhol, então não sou parâmetro).

Que eu saiba as candidaturas são todas baseadas em análise curricular e entrevistas, além de ver se o cidadão tem condições de se manter no curso ou se vai largar por não ter como se manter em Portugal. Daí que sugiro ao povo nunca marcar a opção do formulário que indica "bolsa". Esqueça, porque não vai ganhar bolsa daqui mesmo, então não marque e suas chances aumentam!

Os cursos só tem a dissertação no segundo ano, igualzinho aos mestrados no mundo todo, Anderson. Mas isso não indica que não haja aulas. Há e são obrigatórias. Tem presença assinada e é um pé-no-saco em alguns cursos, com professores conferindo a listinha para ver se alguém está assinando pelos demais. Coisa de primário, só falta a chamada da "tia". Aliás, já mencionei esse "espírito" pré-primário de alguns cursos em outros posts. Além de aulas, há provas de todas as matérias (algumas duram apenas 2 ou 3 semanas), portanto, frequentemente há trabalhos a apresentar ou provas a fazer, dependendo, claro, do curso. A Docinho já teve até uma prova TODA em inglês. Uma grande babaquice, mas aconteceu e não adianta reclamar nem com o Papa... Foi um caso isolado, mas esteja preparado para essas eventualidades.

Comprar um carro aqui é bastante simples. Acho que já postei sobre isso, mas falo novamente. DEPOIS de ter o número de inscrição na Fazenda, isto é, número de contribuinte (esse número funciona aqui como o CPF no Brasil. Vão te pedir isso o tempo todo), é mole. Entrar numa loja, escolher o carro e pagar! :) O registo (sem o r) é feito na conservatório de registros de automóveis (como o registro do DETRAN no Brasil), bastando levar um formulário que o vendedor te entrega, assinar e pagar 60 euros da transferência. Fácil. 

Quanto ao IPVA portuga, há sim. E varia MUITO em função do carro, em especial se o carro polui muito ou não. Aqui eles levam isso realmente a sério. Carros mais antigos, portanto, mais poluentes, têm impostos mais altos, mas não se aproximam do Brasil. Nosso modesto carrinho, um Citroen C3 2010, diesel, paga 120 euros por ano. 

Não vale a pena ter veículos muito mais antigos do que isso, porque há inspeção (pra valer!) obrigatória e se houver algo errado nos zilhões de itens que eles avaliam, terá que consertar e voltar para fazer. Daí que veículos com mais de 4 anos de uso, embora MUITO baratos, podem trazer esta dor de cabeça. 

Compra-se carros aqui por preços bem módicos, em especial se não se importar com a vistoria. Uma amiga da Docinho pagou 1.000 euros num Corsa com 10 anos de uso, mas inteiraço. Uma ex-babá da Salgadinho comprou um Citroen - não lembro o modelo - também usado, mas em bom estado, por 250 euros! E roda nele direto - ela mora fora de Coimbra.

E, Anderson, não é incômodo algum, rapaz. Pergunte o que quiser, responderemos sempre que der, ok?

Abs

Coração.

5 comentários:

  1. Agradeço as informações.
    Eu zapeando pelos sites para obter informações vez ou outra encontro uma BMW ou um AUDI por 3000 a 4000 euros...
    Parece pegadinha...
    hahahahha
    Anderson

    ResponderExcluir
  2. Não é pegadinha, Anderson. Encontra-se mesmo. Se gostar MUITO de carros e tiver como trazer alguma grana inicial, pode comprar um BMW zero ou Audi zero também pagando os 3 ou 5 mil euros de entrada, uma prestação entre 200 e 500 euros e algum saldo residual. Que não precisa executar, pode simplesmente devolver o carro ou então dar este de entrada, abater o residual e a prestação e estar todos os anos ou a cada 2 anos de carro zero. É fácil. O difícil é ter crédito inicialmente no país. Eu tive alguma sorte porque tinha conta no BANIF no Brasil e sendo um banco português me ajudou bastante.
    Abs
    Coração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sou apaixonado por BMW, mas tem certeza que num vai sair o sergio malandro...gritando PEGADINHA DO MALANDRO...kakakkaka

      Para nossa necessidade uma com 4 anos já estava bom.

      Não posso deixar de agradeçer novamente pelas informações que são de grande valia.

      Anderson Lima

      Excluir
  3. vocês indicam alguma concessionária ou loja de usados em Coimbra?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Anônimo,

      Indicar, não indico, pois não usei diretamente e nem tenho boas referências, por isso evito. Agora, NÃO indico honestamente as lojas de beira de estrada que há aqui aos montões. Tive uma amiga que comprou numa e se deu bastante mal. E já ouvi outras histórias também.
      Agora, há várias revendas autorizadas (Citroën, Renault, GM, Audi e etc) na cidade. Mesmo pagando um pouco mais caro, acho que vale a pena ir nestas para dar uma olhada, pois em geral têm boas garantias. Há também uma loja chamada MCoutinho. Repito, nunca comprei lá, mas pelo menos é antiga e muito conhecida e tem no país todo, portanto, não deve ser ruim, né?
      Abs
      Coração

      Excluir